Hikikomori/social fóbica

Olá a todos eu sou nova aqui, e de alguma forma me sinto “aliviada?” de saber que eu não sou a única pessoa no mundo que sofre pelos mesmos problemas. Eu sou depressiva e tenho medo de interagir socialmente, realmente pânico de fazer certas coisas, como falar ao telefone e abrir a porta para estranhos. Eu já era isolada na escola, mas tinha minhas amizades que foram diminuindo com o tempo até hoje se tornarem nulas. Eu tenho 22 anos e nunca trabalhei, estudo online por não ter coragem de encarar pessoas, e apesar de todas as humilhações que já passei e torturas psicológicas em outros contextos da minha vida pela minha família ou pessoas aleatórias eu sinto como se nem pudesse reclamar, sabe quem sou pra dizer algo sobre qualquer coisa, alguém sem experiência de nada, em que os dias se resumem à filmes, séries, álbuns etc… Eu nem me sinto como uma pessoa, apenas um ser respirando e ocupando espaço. Apesar das confusões e brigas com minha mãe, nesse sentido ela nunca me cobrou nada - as vezes eu penso pq simplesmente é conveniente pra ela, não querer pensar ou se preocupar com a minha saúde mental. Enfim eu quando menor esperava tanto da vida, ser independente e ser capaz de ser eu mesma e viver em paz no meu cafofo. Mas hoje apenas ter uma renda pra mim parece ser um sonho distante, pra que tantas ideologias e visões de mundo se não posso colocá-las em prática?! Sinto muito por um post tão grande, mas não sei como posso sair dessa humilhação e vergonha sem a grande amiga morte para acabar com tanto sofrimento.

Provavelmente grande parte da razão de evitar contatos está relacionado a sua mentalização da expectativa de terceiros. Os hikikomoris são perfeccionistas e não conseguem lidar com a imperfeição dos seus atos.

Imagino que sua mãe não te cobre para não forçar ainda mais as expectativas e te bloquear ainda mais. Ela deve estar pensando que a melhor coisa provavelmente é esperar a sua energia vital aflorar para enfrentar sozinha os seus medos e inseguranças.

Você já enfrenta a sua mãe, então já está a um passo para enfrentar uma compra no supermercado ou atender a porta. Você vai ver que fazer estas coisas podem ajudar a sua mãe e começar um ciclo virtuoso de encontrar movimentos que transformem de forma positiva as pessoas ao seu redor.

No final gerar renda é isso: ser tão útil para uma pessoa próxima que ela te pagará de bom grado pela ajuda.