Viver é difícil mesmo

Gostaria de compartilhar algumas reflexões convosco.

Primeiramente, quero prestar meus agradecimentos a existência desse fórum. Espaços como esse são fundamentais para buscarmos e compartilharmos informações.

Somos o que somos, não há como fugir disso.

Creio que nossa inaptidão com os eventos da vida decorram de inúmeras formas e por inúmeros motivos. A modernidade nos empurra para essa condição precária!

Para quem cresceu sem adversidades, o comodismo já era previsto.

Há muito julgamento no mundo, ao passo que há muitas coisas que nos impedem de lidarmos com o julgo. Principalmente os vícios, os quais anestesiam nosso desespero de não saber o que fazer e, porque fazer.

A Internet é o maior dos males, apesar de estar redigindo através dela e para ela, penso que é preciso boas práticas para ter uma vida virtual saudável.

Se deixarmos as Big Techs guiarem nossa navegação, à nossa mente entra em loop de pular para o próximo conteúdo, que são cada vez mais inúteis e direcionados.

O que se tornou a Home Feed do YouTube?

Se somarmos a gigantesca quantidade de informação da internet, com o ato de pensar demais (overthinking), entraremos em paranoia. Passaremos a enxergar a Internet como um “lugar” inseguro para nossa saúde mental.

E de fato é, afinal é o mundo condensado em bytes.

Dito isso, quero enfatizar que devemos com urgência controlarmos como interagimos com a Internet. Adotar o minimalismo digital é fundamental para não agravarmos nossa condição!

A cada aba que se abre, a rede te convida a ser mais um espectador de futilidades. Um viciado em dopamina.

Claro que há a possibilidade de ganhar dinheiro através da Internet, porém até lá, é preciso se reeducar e reaprender a utilizá-la. Além de reapreender a se cuidar fora dela.

Se ela fosse exclusivamente boa, já teria sido proibida. Está sendo usada para entreter as pessoas, enquanto as influenciam e empurram publicidade.

Pelo que você vai se deixar influenciar?

Há muita ruindade no mundo, não adianta querermos fazer algo pelas pessoas. A motivação é escassa mesmo quando fazemos por nós mesmos.

Talvez a motivação quase não exista devido ao abandono que sentimos! Tudo depende de nós, ao passo que de nós nada queremos. Devido a tudo já nos ter sido dado, e quando nos for retirado, poucos terão se libertado.

Do vazio, da desilusão.

Sabe, acho que vocês me entendem, quando tentamos socializar somos sempre atacados. Seja com indiretas, com questionamentos, com propostas, com ofensas… Enfim, as pessoas não nos suportam assim como não as suportamos, a questão é que por motivos diferentes.

Você, um belo dia, decide mudar. Planeja, se arruma, consegue uma oportunidade. E quando vai à luta, só vem maldade por parte das pessoas. Logo você retorna ao “eremitismo” em seu quarto.

Você foi obrigado a viver, sem ser ensinado. Por não aguentar a crueldade do mundo, se isola. Por não encontrar motivações, se isola.

Não encontra forças em si, muito menos fora.

É como uma prisão invisível, onde há única fonte de luz vem de uma janela estreita, da qual você pode tentar passar se emagrecer! Aceitando como as coisas são. Parando de pensar que você tem algum tipo de dívida com o mundo, você não tem, assim como eles não têm contigo.

Aprenda como viver! Por si, no seu tempo, do seu jeito.

Respire com calma, pense com calma, sinta, com calma. Não há para onde fugir mesmo!

Me deixei influenciar pela Internet, infelizmente hoje não tenho motivações para nada, não vejo o mesmo valor no dinheiro e relações que outras pessoas.

Por que trabalhar se não quero participar do teatro maquiavélico da sociedade?

Trabalhar para mim? Difícil! Eu mal sei o que quero para mim.

Descobrir isso leva tempo, esforço, persistência! E ficar aceitando convites para sair, ou se autossabotando em seu quarto só atrasa esse processo árduo.

Uma dica, é tentarmos ser mais honestos com as pessoas e nós mesmos. Respeitando nossa condição “misantropa”.

Se tentarmos agradar aquele amigo que insiste em chamar para sair, no fim estaremos mal, por prometermos alguma coisa que não iremos cumprir. Não saia!

Se tentarmos agradar aquele parente insistente em saber como você está (para ele falar como ele está), no fim você estará mal, por não querer aquela conversa. Não converse!

Um dia isolado, refletindo, ouvindo boas músicas, vendo boas informações, ajudando em casa, se motivando a pequenas conquistas vale muito mais!

Não deixe que o mundo, e sua versão condensada em bytes atrapalhe essa jornada de autoconhecimento/aperfeiçoamento.

Viva como achar que deve, se mesmo assim o pior te acontecer, aproveite o que tiver de aproveitar. Nem que seja a melancolia, minha parceira nessa dissertação.

Resumindo:

1º Minimalismo, se conseguir Detox Virtual;
2º Se aceite. Se não quer sair, não saia;
3º Autoconhecimento/aperfeiçoamento no seu tempo, do seu jeito.

Fiquem à vontade para complementarem meus pensamentos. Paz a todos.

4 curtidas